E Esse Negócio de Entrega Contínua?

O problema de entregar software

No dia-a-dia de uma equipe que desenvolve software, novas funcionalidades são adicionadas ao sistema atual, ou as já existentes são melhoradas. Assim, entregar uma nova versão é, basicamente, melhorar o sistema.

Quem faz a entrega do sistema geralmente (e idealmente) é o grupo de desenvolvedores. E frequentemente o processo de entrega é dominado pela equipe de desenvolvimento. Vamos citar um exemplo:

A implantação é manual e arriscada, então apenas um certo grupo de pessoas mais experientes fica responsável por colocar a nova versão no ar.

Nesse caso, mesmo que a equipe de Negócios da empresa decida uma data para entregar a nova versão, não seria uma decisão dela, mas sim da equipe de desenvolvimento, se eles poderiam realizar a implantação.

Se as entregas não são muito frequentes, ou não tem frequência nenhuma, fica mais difícil ainda decidir quando implantar.

É bem comum congelar a versão atual em momentos de riscos – durante uma grande promoção de vendas. Não existe previsibilidade e confiança no que vai acontecer quando uma nova versão for entregue.

Realizar entregas frequentes é ainda mais crucial para startups, pois novas ideias precisam ser testadas e avaliadas rapidamente.

Então tá, precisamos melhorar o processo de entrega para que a equipe de negócios tome as decisões sem depender da equipe de desenvolvimento. Como fazemos isso?

Voltando no tempo

Alguns anos atrás começamos a adotar testes automatizados, deixando a máquina fazer o que ela é boa, repetição, e deixando os humanos fazerem o que eles são bons, explorar.

Automatizar o processo de testes manual foi algo tão bom que inclusive evoluiu para o TDD, técnica onde os testes automatizados são feitos antes da implementação do código.

E não parou por ai. Depois de automatizar os testes, decidimos também por automatizar a execução deles. Assim, cada possível mudança do sistema passa por toda a suite de testes e a equipe recebe um feedback bem mais rápido.

Seguindo essa linha de raciocínio, a automação surge como uma resposta para esse problema. Automatizar a maneira como o software é entregue dá maior previsibilidade e confiança para o processo, fazendo com que a equipe de desenvolvimento não seja mais uma dependência.

De volta para o futuro

Nesse outro artigo, Automação Como Pontapé Inicial para Entrega Contínua, eu falo um pouco sobre como a equipe que faço parte conseguiu melhorar o processo de entrega utilizando automação.

Mas automatizar um script não é o suficiente! É preciso garantir que aquilo que será entregue tenha qualidade.

O servidor de Integração Contínua executa somente os testes locais, mas como saber se os serviços externos (software/hardware) estão funcionando? Como saber se esse código vai funcionar como esperado fora do ambiente de desenvolvimento?

Extrapolando a ideia de Integração Contínua, podemos pensar em uma Pipeline de Implementação (Build Pipeline):

Build PIpeline - ThougthWorks Go

A ideia é que cada pedaço de código, além de ser testado pelos testes automatizados, seja também implementado em um servidor de homologação. Dessa forma, não apenas o código é testado, mas também a infra estrutura e o banco de dados.

Ferramentas que controlam e versionam a configuração das máquinas e do banco de dados são muito importantes nesse ponto, pois elas facilitam voltar atrás e verificar onde estão os problemas.

Resumindo: cada commit gerado vai passar por toda a suite de testes, em seguida será implementado em um ambiente de homologação e testes de integração serão feitos lá, garantindo que tudo funcione direitinho.

Quer colocar a mais nova versão do sistema no ar hoje? Basta utilizar o último commit que passou por toda a Pipeline!

Dessa mesma forma fica fácil voltar a versão em caso de problemas graves em produção. Basta utilizar o último commit funcional e realizar uma nova implantação.

Entrega Contínua e Implantação Contínua

A diferença entre Entrega (Delivery) e Implantação (Deploy) Contínua é bem sutil, considere o exemplo a seguir:

Cada commit passa pelo Pipeline de Implantação e testes exploratórios são realizados, mas só no final da iteração é que a nova versão vai ao ar.

Nesse caso a Entrega do sistema é contínua, mas a Implantação não! Cada commit gera uma nova versão do sistema que passará por testes exploratórios, então teremos uma nova versão do sistema para entregar. Mas a decisão de implantá-la fica para o final da iteração.

A Implantação Contínua em ambientes pré-produção pode ser o primeiro passo para conquistar a confiança da equipe de negócios e convencê-los a adotar a Implantação Contínua em produção. Com um processo automatizado e confiável, fica mais fácil prever o que vai acontecer quando uma nova versão do sistema for ao ar.

É comum falar sobre Entrega Contínua como a técnica global que envolve todo o processo de entrega e implantação. Então a técnica da Entrega Contínua se diferencia da maioria das outras técnicas (como TDD, Programação em Par, etc.), pois requer que a equipe de Negócios aceite mudar e que seja parte da mudança.

O planejamento não será mais feito baseando-se no final da iteração ou quando a implementação puder ser realizada, mas sim em quando faz mais sentido que a nova versão seja entregue.

Empresas como Github fazem milhares de implantações por dia (Deploying at GitHub), o que não quer dizer que você deva fazer também. Implantar uma nova versão é uma decisão da equipe de Negócios e a Entrega Contínua faz com que isso seja realidade.

Qual é o truque?

Obviamente falar é bem mais fácil do que fazer. Existem vários problemas para se chegar em um estado onde é possível colocar uma nova versão do sistema no ar sem preocupações.

Como garantir que o testes são suficientes? Como migrar o banco de dados sem derrubar o sistema? E as dependências externas?

Nos próximos posts eu pretendo falar um pouco sobre as pedras que estamos encontrando no caminho da Entrega Contínua. Fique ligado para saber mais!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s